segunda-feira, 12 de setembro de 2016

O Obreiro Aprovado

*II Tm 4.1 Conjuro-te diante de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos, pela sua vinda e pelo seu reino;
2 prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda longanimidade e ensino.
3 Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos,
4 e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas.
5 Tu, porém, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.

O Obreiro Aprovado é Chamado por Deus
*Gl 1.1 Paulo, apóstolo (não da parte dos homens, nem por intermédio de homem algum, mas sim por Jesus Cristo, e por Deus Pai, que o ressuscitou dentre os mortos),

O Obreiro Aprovado Segue Orientações de Deus
*Gl 1.15 Mas, quando aprouve a Deus, que desde o ventre de minha mãe me separou, e me chamou pela sua graça,
16 revelar seu Filho em mim, para que eu o pregasse entre os gentios, não consultei carne e sangue,
17 nem subi a Jerusalém para estar com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia, e voltei outra vez a Damasco.

O Obreiro Aprovado não se Cala Perante o “dono” da Igreja

*III Jo 9 Escrevi alguma coisa à igreja; mas Diótrefes, que gosta de ter entre eles a primazia, não nos recebe.
10 Pelo que, se eu aí for, trarei à memória as obras que ele faz, proferindo contra nós palavras maliciosas; e, não contente com isto, ele não somente deixa de receber os irmãos, mas aos que os querem receber ele proíbe de o fazerem e ainda os exclui da igreja.

O Obreiro Aprovado não Negocia o seu Ministério

*Gl 1. 8 Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema.
9 Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.
10 Pois busco eu agora o favor dos homens, ou o favor de Deus? ou procuro agradar aos homens? se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo.
11 Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens;
12 porque não o recebi de homem algum, nem me foi ensinado; mas o recebi por revelação de Jesus Cristo. 

O Obreiro Aprovado não se Deixa Levar
*I Tm 5. 22 A ninguém imponhas precipitadamente as mãos, nem participes dos pecados alheios; conserva-te a ti mesmo puro.

O Obreiro Aprovado Reconhece a Graça de Deus
*I Tm 1. 12 Dou graças àquele que me fortaleceu, a Cristo Jesus nosso Senhor, porque me julgou fiel, pondo-me no seu ministério,
13 ainda que outrora eu era blasfemador, perseguidor, e injuriador; mas alcancei misericórdia, porque o fiz por ignorância, na incredulidade;
14 e a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e o amor que há em Cristo Jesus.

O Obreiro Aprovado Acata o Mandado de Deus
*I Tm 1.1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, segundo o mandado de Deus, nosso Salvador, e de Cristo Jesus, esperança nossa.

O Obreiro Aprovado é Escolhido por Deus
*At 9. 15 Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome perante os gentios, e os reis, e os filhos de Israel;
*Rm 1.1 Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus,
*Mc 3. 13 Depois subiu ao monte, e chamou a si os que ele mesmo queria; e vieram a ele.
14 Então designou doze para que estivessem com ele, e os mandasse a pregar;

O Obreiro Aprovado Busca a Capacidade de Deus

*II Co 3. 4 E é por Cristo que temos tal confiança em Deus;
5 não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus,
6 o qual também nos capacitou para sermos ministros dum novo pacto, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica.

O Obreiro Aprovado é Ungido por Deus
*II Co 1. 21 Mas aquele que nos confirma convosco em Cristo, e nos ungiu, é Deus,

O Obreiro Aprovado é Obediente 
*Rm 1. 5 pelo qual recebemos a graça e o apostolado, por amor do seu nome, para a obediência da fé entre todos os gentios,
6 entre os quais sois também vós chamados para serdes de Jesus Cristo

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Dependente

Na carta aos efésios capítulo seis e versículo primeiro, encontramos uma admoestação do apóstolo Paulo aos filhos, orientando-os obedecer aos pais. Muitos filhos poderão perguntar, obedecer até quando?

A palavra grega para filhos neste texto é “τεκνα”, que significa “filhos dependentes”, interpretado como crianças. Significa que não importa sua idade, seu estado civil, se mora sozinho, ou qualquer outra argumentação que gera uma pseuda expectativa de independência, se você depende de alguma maneira dos seus pais (moradia, faculdade, mesada, carro, mercado, contas, etc.), você é dependente, como uma criança, e deve a eles obediência.

A você que é um filho independente, não precisa receber qualquer tipo de ajuda de seus pais, talvez ao contrário, agora é você quem os sustenta, observe o versículo dois e deleite-se sobre ele: “Honra teu pai e tua mãe”.

É mister entender isso que é natural, para evoluirmos para o sobrenatural, somos filhos dependentes de Deus, por isso precisamos obedecer nosso Pai celestial. Há vários motivos para obedecer ao Pai, penso que o principal seja para estarmos em maior comunhão com Ele, em santidade constante e diária, reconhecendo nossa pequenez diante do grande “Eu Sou”.


Para ser um herói da fé, não é preciso delirar sobre hebreus onze, porque todos eles tiveram o entendimento de que para estar bem com o Senhor é necessária uma coisa somente, obedecer. Obedecer sempre.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

A Benção do Casamento

Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne. Gn. 2:24

O passo para o casamento é a complementação de um projeto de vida, instaurado por Deus. Trata-se do amadurecimento da vontade da alma, em compartilhar todos os momentos da vida com o outro sexo. Envolve uma sequência de situações, mas, principalmente, é uma decisão que deve partir de um princípio maior, fundamentado no desejo de se tornar uma pessoa, sendo duas.

Considero como fundamental para o casamento, estar bem entendido entre os dois sexos, que a mente de ambos deve compreender que tudo, a partir deste ponto, deverá ser decidido pensando no outro, e isso para vida toda. 

A cabeça de uma pessoa que toma a decisão de unir-se em matrimônio, já com antecedência ao fato, deve estar agindo como quem está casado, digo, pensando no bem maior, ou seja, no que será bom para ambos. Sempre, em tudo e por toda a vida.

A mente de uma pessoa casada, que traz consigo uma racionalidade de solteiro, está fadada ao fracasso, não obstante, motivo do alto índice de divórcio e vários outros casamentos, se é, que isso é possível, deixo aqui reflexão. (...)

Contrair matrimônio, é viver para alguém que se ama mais que a si mesmo, é estar feliz porque ela está feliz, é sacrificar com alegria, pensando num conjunto, é se alegrar simplesmente por estar feliz e isso para sempre, pela vida toda.


Refaça sua mente e tenha um casamento como Deus planejou para você. Uma benção.

sábado, 21 de maio de 2016

QUERO FALAR DE JESUS CRISTO

Há no coração do homem, uma multidão de necessidades, e vontades. Necessidade é aquilo que ele precisa, enquanto vontade é aquilo que ele deseja.

É certo que estas duas primícias coadunam dentro do coração e mente do homem, mas, após uma decisão livre de conversão à Cristo, outra coisa, uma mais excelente, haveria de comandar as mentes e corações – o conhecimento de Jesus Cristo.

Jesus Cristo é a suficiência máxima na vida de uma pessoa, é o ápice da existência terrena do homem, Ele é o mitte, o background, a plenitude dos tempos. Cristo é o cenário contemplativo que se expressa na vida de qualquer adorador.

Mas, por que as preocupações do homem estão voltadas para tantas distrações que não expressam o Deus único e verdadeiro? A resposta é porque o conhecimento de Cristo esta desfocado. Sim, o aceitamos como único Senhor e Salvador de nossas vidas, e vivemos para lhe prestar culto em todo momento e com todo o nosso ser, porém, o que sabemos dele?

Nas muitas necessidades presentes na vida de uma pessoa, poderíamos falar sobre a cura das enfermidades, ou sobre a prosperidade financeira, talvez, sobre a libertação dos cativos. O nosso Pai bem sabe de todas as necessidades. “Não temas, creia somente”. No exemplo dos dez leprosos, a ingratidão dos nove é penitenciada com a cura.

No desejo de conhecer a Cristo, as pessoas estudam as Escrituras. Leem e releem por diversas vezes a Torá, os livros dos profetas, buscando compreender a Cristo. Mas, há um engano, a estratégia não está bem fundamentada. Nós jamais compreenderemos a Cristo, estudando as Escrituras, o nosso entendimento jamais alcançará este alvo.

Só é possível entender à Cristo, estudando à Cristo, refletindo sobre Cristo, meditando sobre as Palavras de Cristo, sobre Seus ensinamentos. Então, compreendendo à Cristo compreenderemos também as Escrituras. Porque a Bíblia é Cristocêntrica.

Maria e Marta eram da cidade de Betânia, um dia, Jesus foi ter com elas. Marta estava preocupada com as tarefas da casa, mas Maria entendeu que Jesus chegou. Porque quando Jesus chega, tudo tem que esperar, nada mais tem importância, porque Jesus chegou. Ele é o Alfa e o Ômega. Nele tudo pode começar na sua vida e Nele tudo terminar. 

terça-feira, 3 de março de 2015

DIACRONIA HERMENÊUTICA SOBRE A QUEDA DE LÚCIFER E SEUS ANJOS

Como e porque aconteceu a queda?
Posso identificar na Bíblia a queda de um terço dos anjos com Lúcifer?
Esses anjos caídos terão salvação no final?

Entenda tudo isso, saboreando uma leitura diacrônica da própria Bíblia. Faça uma análise sem pressa, ponderando os textos um a um, na ordem que seguem. Este breve estudo, enquadrasse na primeira e mais importante regra da hermenêutica: “A Bíblia explica a Bíblia”. Bom estudo.

A Queda de Lúcifer e Seus Motivos
-          Isaías 14:12-20
-          Ezequiel 28:12-19

Uma Alusão a Queda da terça parte dos anjos
-          Apocalipse 12:3-17

Os anjos já foram julgados e Sentenciados
-          2 Pedro 2:4

-          Judas 1:6

quarta-feira, 14 de maio de 2014

A Necessidade de Interpretação da Bíblia

Nem todos se apercebem do fato de que cada leitura de um texto envolve um processo de interpretação do mesmo. Não existe compreensão de um texto sem que haja interpretação, mesmo que esta leitura seja do jornal e o processo de interpretação aconteça inconscientemente. Sendo um texto, a Bíblia não foge a essa regra. Cada vez que a abrimos e lemos, buscando entender a mensagem de Deus para nós, engaja-nos num processo de interpretação. Como palavra de Deus, a Bíblia deve ser lida como nenhum outro livro. Mas tendo sido escrita por homens, ela deve ser interpretada como qualquer outro livro. Sem interpretação, não há compreensão.