terça-feira, 12 de setembro de 2017

Eu Profeta

“Porém Asa se indignou contra o profeta, e lançou-o na casa do tronco; porque estava enfurecido contra ele, por causa disto; também Asa, no mesmo tempo, oprimiu a alguns do povo”. 2 Cr. 16:10

Na diacronia histórica dos profetas, encontramos inúmeras situações como a do texto acima. O profeta sendo hostilizado por revelar a voz de Deus, a quem seja. Do mais simples até o mais ilustre, o profeta tem como ministério o anunciar da verdade revelada de Deus, não se trata de epifania ministerial, mas de um chamado convocatório, que se manifesta pela única e verdadeira vontade soberana de Deus na vida de um escolhido.

Este chamado traz consigo o peso da solidão, pois ao contrário dos pseudoprofetas que sempre fizeram e ainda fazem parte da história, a chegada do profeta causa temor ao povo, pois a sua chegada é sinal de correção, como no caso da chegada do profeta Samuel em Belém, quando houve alarde no povo, e diante deste temor, o afastamento é o caminho da derrocada humana.

Livres da ignorância e abertos para o amor de Deus, entenderemos que a repreensão do Senhor é sinal do seu intenso amor para conosco. Por isso, não rejeite a correção, aceite-a como dádiva daquele que tem o poder para mudar sua história, mas, que precisa te colocar no lugar correto, para que possa edificar sobre a sua vida, com alicerces que não possam ser destruídos.

Com a mensagem revelada e o coração contrito, não há limites para o que Deus possa efetuar na sua vida, a mudança da sua história, o caminho de uma nova trajetória, dependem do atentar dos seus ouvidos a voz daquele que traz em si todo o poder. A Ele toda glória para sempre, amém.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Os Lobos e Eu

“Então disse Davi a Saul: Teu servo apascentava as ovelhas de seu pai; e quando vinha um leão e um urso, e tomava uma ovelha do rebanho, Eu saía após ele e o feria, e livrava-a da sua boca; e, quando ele se levantava contra mim, lançava-lhe mão da barba, e o feria e o matava. Assim feria o teu servo o leão, como o urso; assim será este incircunciso filisteu como um deles; porquanto afrontou os exércitos do Deus vivo”. 1 Samuel 17:34-36


No evangelho anunciado atualmente, temos um Jesus que ultrapassa a amorosidade, benevolência e paciência das escrituras. O que temos ouvido é um Jesus que perdoa tudo, esquece tudo e livra a todos independente do que faz, de como age, e de quem atinge.

Bem, se nos avivarmos mais uma vez, digo, voltarmos a santa palavra de Deus, lugar de onde nunca deveríamos ter saído, vamos encontrar narrativas bem diferentes. É certo que encontraremos um Jesus que é amor, mas, que também é justiça, e isso para todo o sempre amém.

Davi, foi um pastor de ovelhas, ele amava suas ovelhas e cuidava bem de cada uma delas. No entanto, este homem se transformava completamente quando surgia uma ameaça, quando um inimigo se aproximava com o objetivo de tragar as ovelhas, Davi, deixava o seu papel de “homem bonzinho” e os atacava para matar. Não importava o tamanho do inimigo que surgia, poderia ser um urso, um leão ou até mesmo um gigante, Davi, não teve misericórdia, partiu para cima e pra matar.

Uma pessoa que está perdida com atitudes erradas, que faz o mal por ignorância e que num certo momento de sua vida, se arrepende e se volta para o bem, alcança a misericórdia de Deus e se transforma numa nova criatura. Mas, há aqueles que são essencialmente lobos, leões, ursos e gigantes na sua essência, que não tem interesse em buscar arrependimento ou acerto de vida, que se promovem do prazer de ferir, machucar e devorar, para estes não deve haver misericórdia, um bom pastor, que está aliançado com Deus pelo compromisso eterno no Senhor Jesus Cristo, e com discernimento do Espírito Santo, saberá fazer esta separação.


Para as ovelhas que de fato são, abraços e carinhos. Para os lobos em todos as suas formas, mesmo para os que estão disfarçados de ovelhas, não há misericórdia, devem ser banidos e eliminados. Soli Deo Gloria.